insinuações.


Foi aquele olhar que me mandas-te, que me fez aperceber que cometi um erro. Não devia nem sequer ter pensado nele quando estava contigo, devias ser tu, apenas tu. Mas não, enquanto olhava para ti, pensava nele, foi ele que me apareceu nos pensamentos a dizer que eu não tinha cometido nenhum erro, que tu eras o erro. O erro foi ter ido ter contigo e ter-te olhado nos olhos, foram esses dois poços negros que me fizeram gostar cada vez mais de ti, são esses olho negros que me estão a deixar completamente maluca. Eu não quero gostar de ti, mas a minha cabeça ( e o coração ), não estão a obedecer as minhas ordens. Eu falo dele quando estou contigo, e tu apenas desvias o olhar. Eu falo dele quando estou contigo, e tu mudas logo de assunto. Eu falo dele quando estou contigo, e tu dizes que me amas. Tu és o meu erro, és tu o verdadeiro erro. E o verdadeiro problema, é que eu gosto de estar contigo, gosto de falar contigo. Mas, é a ele que eu amo, é ele que é a minha vida, é ele que me fez a rapariga mais feliz do mundo. Foi ele, apenas ele. Tu apenas, fazes parte das minhas fantasias, das minhas histórias que não podem ser escritas, dos meus sonhos mais inacreditáveis, és apenas uma ilusão, uma mera miragem, um aviso de que não posso dizer que te amo, um amor que não pode ser adquirido. 
A minha vida, gira à volta dele, e eu amo-o. $: